jusbrasil.com.br
15 de Dezembro de 2017
    Adicione tópicos

    OAB Jaru realiza Audiência Pública para debater aumento da violência

    OAB - Rondônia
    Publicado por OAB - Rondônia
    há 5 anos

    A subseção da Ordem dos Advogados do Brasil em Jaru promoveu, na última segunda-feira (10/12) audiência pública para debater as causas, consequências e providências a serem tomadas contra a crescente onda de violência atualmente vivenciada no município. Durante a audiência foram apresentados dados e estatísticas sobre os números da violência no município. O delegado da Polícia Civil Salomão de Matos destacou que o mês de novembro apresentou o alarmante registro de oito homicídios e 16 assaltos. “Foi um mês atípico da realidade vivida em nosso município” ressalta.

    O presidente da OAB em Jaru, advogado Mário Roberto de Souza, iniciou o evento com a formação da mesa de debates composta pela juíza da Vara Criminal da Comarca de Jaru, Kerley Regina Ferreira de Arruda Alcântara, o promotor de Justiça Roosevelt Queiroz Costa Júnior, o tenente-coronel PM Pedro Leopoldo Bittencourt, o comandante da Polícia Militar da cidade de Jaru, Major Plínio, e o delegado de Polícia Civil, Salomão de Matos. Mário lamentou a ausência do Secretário de Segurança Pública de Rondônia, Marcelo Bessa. “Mesmo confirmada antecipadamente sua presença, o secretário não compareceu e nem enviou um representante para a reunião” protestou Mário Roberto.

    Um dos assuntos mais questionados foi quanto à desativação da Perícia Criminal da Delegacia de Jaru. O delegado Salomão de Matos detalhou as particularidades internas que resultaram na transferência dos dois peritos, mas considerou desnecessária a atitude dos profissionais em abandonarem o município, ressaltando que os demais servidores da Delegacia também enfrentam o problema de excesso de atribuições, pelo fato de a delegacia atender a região com aproximadamente 75 mil habitantes.

    O promotor de Justiça Roosevelt Queiroz Filho, enfatizou que o Ministério Público tem dado atenção aos problemas enfrentados pela Delegacia, onde recentemente ajuizou uma ação contra suas péssimas condições, salientando que a saída da Pericia Criminal do município é fruto do descomprometimento dos órgãos governamentais do estado, e mencionou também o baixo comparecimento da população à audiência pública. “A sociedade tem que ser mais participativa para a contribuição de uma política de segurança pública mais efetiva e voltada às necessidades do cidadão”, reitera.

    O comandante da Polícia Militar, Major Plínio, ressaltou que o índice de violência apresentado no mês de novembro não reflete a realidade da cidade, destacando o sucesso da operação da Polícia Militar, que recuperou todo o dinheiro roubado do Banco do Brasil na cidade de Machadinho do Oeste, e prisões de suspeitos de estarem cometendo os recentes assaltos no município de Jaru. “Estamos, dentro de nossas possibilidades, fazendo o melhor para a sociedade”, destacou o comandante lembrando a insuficiência de contingente para atender uma área do tamanho do estado do Sergipe, que é a atendida pela Companhia da PM de Jaru.

    Segundo o tenente-coronel Pedro Leopoldo Bittencourt, para resolver o problema de segurança em Jaru, é necessário melhorar a estrutura e aumentar o contingente. “A PM precisaria de no mínimo seis viaturas com três policiais cada, realizando patrulhamento durante 24 horas. A polícia Comunitária seria também uma das alternativas viáveis para a diminuição da criminalidade”.

    Incumbindo aos governantes a responsabilidade pela precariedade da segurança pública, a juíza criminal Kerley Regina Alcântara mostrou toda sua insatisfação com o sistema político, relacionou o crescimento populacional desordenado ocasionado pelas construções das usinas no estado, como uma das causas da crescente violência e, enfatizou que atualmente é desenvolvido no sistema prisional do município, um trabalho de ressocialização humanitário e de eficiência, graças ao envolvimento e dedicação de servidores.

    O advogado e defensor público aposentado Cezar Trindade Rego, após as considerações finais dos participantes, realizou o encerramento da reunião. Para Mario Roberto, o objetivo da audiência foi alcançado mesmo diante da ausência do Secretário de Segurança Pública. Mário entende que melhorias em nosso sistema de segura pública, só serão atingidos por meio de exposições de idéias e debates como este realizado.

    *Com informações e foto de jaruonline.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)